Litíase renal - Hidratação deficiente é o principal fator de risco


Como se formam pedras nos rins? 

Os cálculos renais são massas duras que se formam no aparelho urinário a partir de cristais existentes na urina. Devem-se a alterações do metabolismo ou mesmo anatómicas, as quais, associadas muitas vezes a uma hidratação deficiente, levam a uma cristalização de minerais e sais ácidos. 

Quais os principais fatores de risco? 

O principal fator de risco para a formação de cálculos renais é uma hidratação deficiente.

 

A dor é sempre o primeiro sinal de alarme?
A dor renal, também conhecida por cólica renal, acontece quando um cálculo migra do rim para o uréter, obstruindo a drenagem urinária e causando consequente- mente uma dilatação do sistema coletor do rim. 

Que outros sintomas não devem ser descurados?
A maioria das vezes a litíase renal cursa de forma assintomática. Pode no entanto causar hematúria (sangue na urina), infeção urinária muitas vezes recorrente e dor.

 

As pedras podem ser eliminadas sem recurso a tratamento?
Tenho que dividir a resposta em dois grandes grupos: cálculos renais e cálculos no uréter. Os cálculos renais podem atingir grandes dimensões de forma silenciosa, normalmente têm indicação para tratamento se tiverem mais do que 10mm de tamanho. A grande maioria das cólicas renais (cálculo no uréter) resolve-se espontaneamente ou com recurso a medicação. São tratadas com métodos invasivos (cateteres uretéricos, litotrícia intracorporal de contacto ou a laser, etc) no caso de terem critérios de gravidade (insuficiência renal, dor refratária à terapêutica, infeção, etc).

 

Existem medidas preventivas? 

A principal medida de prevenção é uma correta hidratação, sendo que um homem deve beber pelo menos 2,5 litros de água por dia e uma mulher 2 litros de água por dia. Estes valores podem aumentar com o exercício físico e com o aumento da temperatura climática. Deve ainda vigiar-se as características da urina e beber de forma uniforme ao longo do dia.

 

Que tratamentos existem? 

O tratamento depende do tamanho e constituição do cálculo, podendo ir da terapêutica médica à cirurgia aberta. Existem hoje em dia várias técnicas minimamente invasivas que nos permitem fazer cirurgias endoscópicas a laser ou micro-percutâneas de ambulatório com recuperação e regresso a atividade profissional em 24 horas. Não posso deixar de referir a litotrícia extra-corpórea por ultrassons, que, embora seja menos utilizada do que no passado, continua a ser eficaz em doentes com a indicação correta.

 

Quando é que a cirurgia é inevitável? 

A cirurgia é realizada quando existem critérios de gravidade. No caso de cólica renal, tem a ver com infeção, dor refratária à terapêutica médica, insuficiência renal, etc. No caso de cálculos renais a forma de abordagem tem como fator preponderante as suas dimensões.

 

Depois do tratamento, quais as probabilidades de uma recidiva? 

Depois de um episódio de litíase calcula-se que exista uma probabilidade de cerca de oito vezes mais de existir um segundo.

 

Quais os riscos de um diagnóstico ou tratamento tardio?
O atraso no diagnóstico de litíase renal pode levar a perda de função renal e infeção (quer seja aguda ou crónica). No caso da cólica renal (litíase do uréter), o atraso no diagnóstico e tratamento pode mesmo levar a sépsis (infeção generaliza- da do organismo), que apresenta uma taxa de mortalidade não negligenciável. 

 

António Oliveira, Urologista na rede H Saúde

Fonte: Suplemento de Saúde da Edição nº4388 do jornal Região de Leiria, de 22 de abril de 2021.

Terça, 27 de Abril de 21